sábado, 13 de agosto de 2016

'Chicó existiu e morou em Taperoá', na PB, conta primo de Ariano

Autor de O Auto da Compadecida. Nascido na Paraíba, Ariano Suassuna vivia no Recife desde 1942.   Manoel Dantas é primo de Ariano Suassuna
(Foto: Taiguara Rangel/G1)
FONTE: G1
'Chicó' existiu e morou em Taperoá, no Cariri paraibano. O relato sobre o personagem icônico de Ariano Suassuna em O Auto da Compadecida é de Manoel Dantas Vilar, 77 anos, primo do escritor que morreu. 'Seu Manoelito' explicou que, à semelhança do personagem, famoso por contar histórias fantásticas que oscilavam entre o real e o imaginário, o falecido Chicó original era conhecido na cidade pelo mesmo apelido e costume de imaginar e relatar causos heróicos.

Ao contrário do mentiroso e vadio que na obra de Ariano se satisfazia com o mero prazer de protagonizar suas histórias fictícias, Manoel Dantas explicou que 'João Grilo' foi uma adaptação literária do personagem que permeava a cultura popular de cordel, originalmente concebido em contos medievais, adaptados às narrativas que ambientavam o matuto na seca nordestina.

“João Grilo é um personagem clássico da literatura, que sobrevivia graças à sua astúcia, de onde Ariano se inspirou para recriar os atos de seu próprio João Grilo no Auto da Compadecida”, diz o primo do escritor. 
(FOTO:REPRODUÇÃO/TV GLOBO)
Também protagonista da obra mais conhecida do literato paraibano, Chicó era “um doido que morava na cidade”, segundo Manoel Dantas. “Até o nome era igual. Tinha dois doidos em Taperoá, na época, eram 'Ventania' e 'Chicó'. Dos personagens de Ariano, Chicó realmente existiu. No Auto da Compadecida, tem muita conversa lá na boca do Chicó [personagem] que eram 'verdades' contadas pelo Chicó de Taperoá”, confirmou Seu Manoelito.

“Chicó existia e morava em Taperoá. Morava lá para o lado do [sítio] Chã da Mata, no fim da 'rua grande'. Ariano teve contato com ele por algum tempo. Ariano ainda viveu em Taperoá até 1942, depois foi para Pernambuco”, disse.

Sobre a convivência com o primo escritor, dramaturgo e poeta, o engenheiro e fazendeiro Manoel Dantas conta que mesmo a diferença de uma década de idade não afastou o convívio de ambos. "Aquela casa ali embaixo é dele”, disse Manoel, apontando para uma das construções existentes na fazenda Carnaúba dos Dantas, zona rural de Taperoá. “Ele passava aqui sistematicamente nos meses de julho, janeiro e fevereiro. Depois os filhos cresceram e ele veio menos. Ariano comprou também um sítio aqui perto e batizou de 'Malhada do Gato'. Isso porque o pai dele possuía antigamente uma terra que se chamava 'Malhada da Onça', mas ele disse que a terra dele era tão pequena que não caberia uma onça, só um gato”, afirmou.  (LEIA O ARTIGO COMPLETO:http://www.oautodacompadecida.com.br/2016/07/chico-existiu-e-morou-em-taperoa-na-pb.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário