quarta-feira, 14 de junho de 2017

Bebê morre após pais recusarem tratamento acreditando em uma “cura pela fé”

                                                                                                                                              
                                                              (Reprodução)
Um bebê morreu após seus pais, profundamente religiosos, recusarem cuidados médicos, acreditando em uma “cura pela fé”.

Sarah e Travis Mitchell, de 24 e 21 anos de idade, foram presos na segunda-feira após uma investigação sobre a morte de sua filha, Ginnifer.

A mãe deu à luz a gêmeas no dia 5 de março, em Oregon City, Oregon (Estados Unidos), mas um dos bebês teve complicações respiratórias, horas após o nascimento.

O casal, que enfrenta acusações de assassinato e maus tratos, se recusou a procurar tratamento médico, em nome de suas crenças religiosas.

Como membros da comunidade Followers of Christ, eles evitam a medicina moderna, preferindo utilizar orações e óleos para curar os doentes.

De acordo com relatos, os familiares, membros da comunidade, e três parteiras, estavam presentes no parto, que foi feito em casa, mas ninguém chamou uma ambulância. O bebê morreu pouco depois.

Carl Hansen, que cumpre uma função parecida com a de um pastor na comunidade, procurou um médico, que disse que a filha sobrevivente da família Mitchell precisava de cuidados médicos, e chamou a polícia.

Este não é o primeiro caso desse tipo. Vários membros da mesma comunidade foram acusados de não procurar cuidados médicos para seus filhos, incluindo a irmã e o cunhado de Sarah Mitchell, Shannon e Dale Hickman.

Eles foram condenados por homicídio culposo após a morte de seu filho, David.

Em Oregon, a “cura pela fé” foi descartada como defesa jurídica e tida como homicídio culposo, mas em Idaho, uma cidade vizinha, os Followers of Christ continuam operando normalmente.

Idaho é um dos seis estados que consideram a “cura pela fé” como uma defesa jurídica válida.

Há pouco menos do que 2.000 membros dessa igreja, que ganhou notoriedade por praticar a chamada “cura pela fé” e evitar que seus fiéis procurem cuidados médicos.

Em Oregon, um ex-legista do estado afirmou que a taxa de mortalidade infantil na comunidade, é 26 vezes maior do que a do resto da população.

Em 2014, um casal da Pensilvânia, que faz parte de um outro grupo religioso, foi preso por causar a morte de seu filho, recusando-se a levá-lo a um médico.

O menino foi o segundo filho de Herbert e Catherine Schaible a morrer sob seus cuidados.

No julgamento, Benjamin Lerner, um juiz da Filadélfia, disse ao casal: “Vocês mataram dois filhos. Não foi Deus ou a sua devoção religiosa. Foram vocês”.

Anthony Pearce

Yahoo News UK

Nenhum comentário:

Postar um comentário